sábado, 21 de outubro de 2017

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

REVISTA DE IMPRENSA- CENTRO NORTON DE MATOS NO DIÁRIO DE COIMBRA

                        Para ler  clicar em cima de cada uma das 4 partes da publicação 
EG

terça-feira, 17 de outubro de 2017

UM SOPRO DE NOSTALGIA ...







Apenas os muros brancos do Campo Santo, emergem do cinzento da paisagem. Dali, do cimo do morro, apenas se divisa o casario da aldeia. Velhos telhados estrangulados por ancestrais olivais, parecem flutuar ao acaso num ordenamento desordenado. O silêncio é quem mais ordena e, casualmente, apenas o latir distante de um cão, estremece o pasmo do povoado semeado monte acima em aglomerados de quintais, árvores de fruto e chaminés que se erguem ao céu como sentinelas ao vento.

Desço a rua estreita e asfaltada e ali, naquela curva apertada, vejo um homem. Vem em passo lento e cadenciado. Apesar deste dia de fevereiro já parecer um passaporte para a primavera, traz uma samarra pelos ombros. Na mão, como se fosse a extensão do seu corpo franzino, um bordão. Mais do que um amparo, aquele pau que maneja com destreza acompanhando-lhe os passos, é a sua companhia. Também o pequeno cão irrequieto, que vai cheirando as estevas e as barrocas, na procura de alguma novidade que o faro lhe pressente. Depois, numa pequena poça, vai bebendo sofregamente água. Com a sua língua comprida, vai armazenando em movimentos sincronizados e rápidos, o líquido barrento que a pequena charca lhe oferece.

O caminhante cruza-se comigo e fixo-lhe o rosto franzino. É o António Vaz. Ele, depois de uns segundos de mutismo, reconhece-me e igualmente quem me acompanha. Então falou. Falou dos seus noventa e três anos de idade. Falou dos seus “chãos”, que ainda vai tratando como pode. E, apesar de viver sozinho, porque há muito que a sua dedicada irmã partiu, não falou de saudade nem da solidão que lhe vi nos seus olhos pequenos e conformados. Depois, despediu-se de nós. Especado no meio da estrada, fui-lhe acompanhando a ausência, até que desapareceu na curva de uma fazenda. Não sei se o voltarei a ver, porque curto já é o caminho.Sei, apenas sei e recordo, dos dias em que o António Vaz preparava a malga onde os parceiros à volta da mesa tosca, comiam as batatas com atum na taberna do velho Real. Sei, apenas sei e recordo, da salada alface e tomate, regada generosamente com o azeite fino do Juncal do Campo, um regalo para a vista e para o paladar. Sei, apenas sei e recordo, do garfo que era o único talher que ia passando de mão em mão, naquela fraternidade partilhada. Sei, apenas sei e recordo, dos pequenos copos de vidro, já baços de tanto uso, que corriam pela mesa, prenhes do vinho tinto que escorria a compasso pela torneira da velha pipa de madeira. Sei, apenas sei e recordo, que quando o Vaz se despediu, olhei a pacatez da aldeia que parecia ter-se escoado por um ralo, morta de solidão.

Agora que navego por outras realidades, outros mundos de janelas abertas de par em par mais perto do mar Atlântico, estranhamente e com surpresa, senti nos meus olhos cansados, um leve sopro de nostalgia.
Quito Pereira    

ANIVERSÁRIO

MARIA FERNANDA CANELAS

            NANDA CANELAS

17-10-1946

Nesta data especial...

"Encontro de Gerações" deseja

MUITAS FELICIDADES!

PARABÉNS!






















domingo, 15 de outubro de 2017

Bailarina

Do vaso da Lucinda.
Foto: Lucinda.

ENCONTRO COM A ARTE - POESIA

 LUA

Engorda Lua
Que fico à espera de te ver bem cheia
No escuro ateio a luz que te incendeia
Lânguida e nua

Enfuna vela
Com ganas caço o cabo que te prende
Seguro bem o estai que te suspende
Tensa e tão bela

Vai passarola
Impõe o teu vigor á gravidade
Esvoaça de cor, de graça e de vontade
Mágica bola

Centila estrela
Rasgas no céu, candente, o meu desejo
Pegas-me o fogo ardente do teu beijo
Marca singela

Enrola onda
Espalha o teu manto branco pela praia
No vai e vem da espuma  que se espraia
Quente e profunda

E tu mulher
Que é tão frágil o teu brilho intenso
Se em ti se expande o universo imenso
Como vai ser? 

Fernando Seabra Santos
versos cantados por Martinho da Vila
                                           
                                                                      

sábado, 14 de outubro de 2017

ANIVERSÁRIO

EURICO AFONSO OLIVEIRA DE DEUS PEREIRA

                  QUITO

14-10-1949

Nesta data especial....

"Encontro de Gerações" deseja

MUITAS FELICIDADES!

PARABÉNS!