quarta-feira, 29 de agosto de 2012

ENCONTRO COM A ARTE- CALHABÉ ANOS 30/60

O Fernando Rovira
escreveu  mais este livro, desta vez sobre o "Calhabé"
Publicação muito interessante sobre o que era o Calhabé entre os anos 30 e 60.
Nomes de que alguns de nós se recordará, bem como episódios que se passaram entre personagens que foram marcantes "desse Calhabé".

Custo do Livro/Publicação  7,50€

Para facilitar a quem pretenda adquiri o livro, vou ter comigo 20 exemplares.



INDICE
 

                                   QUINTA CHEIRA  página 11
O texto  reproduzido (parte) página 13


No início da década de trinta do século passado, uma parte da Quinta da Cheira estava vendida a particulares para construção, tendo o proprietário dos terrenos embolsado a bela quantia, para a época, de trezentos contos. Em 1935, algumas dessas construções foram embargadas, uma das quais pertencia a José Simões Pais, conhecido mecânico e instrutor de automóveis, que manteve os alicerces de pé até ser dado inicio à construção do Bairro Marechal Carmona. Confrontava com a Rua da Guiné, no local onde foi traçada a Rua Vasco da Gama. Foi esta parte, cerca de um quarto do planalto, que ia das Nogueiras até à Lomba da Arregaça e, em largura, da actual Rua de Moçambique à Rua de Angola, já urbanizada, ou em vias de urbanização, que eu conheci como Quinta da Cheira. A parte restante, isto é, da Rua da Guiné à Rua de Macau, hoje Bairro Norton de Matos, e o espaço entre esta última e a Lomba da Arregaça (Urbanização das Caixas de Previdência), era conhecida por Cascalhal, mas a minha geração preferiu chamar-lhe Cavalo Selvagem por ali ser posto a pastar em completa liberdade um cavalicoque de trabalho que pertencia a um homenzinho que vivia ali perto. Nessa altura, andavam-nos na cabeça os filmes de índios e cowboys que víamos no saudoso cinema Sousa Bastos, onde, em pradarias imensas, se deslocavam manadas de búfalos e cavalos selvagens.
Nota: os sublinhados a cores são me minha autoria.
A foto no texto não está neste local
………….

17 comentários:

  1. Parabéns!
    Fiquei muito satisfeito por verificar que o Fernando Rovira, mesmo com alguns problemas de saúde pelo meio, levou a cabo este trabalho. Já há uns anos que me falou dele, quando procurava recolher as fotografias para ilustrar a obra.
    Pedro Martins

    ResponderEliminar

  2. Fernando Rovira já me encantou com "A República do Carmo" e com "A Francesa".
    Fico bem contente com mais esta publicação e espero que reserve para mim um dos exemplares que tem em seu poder.
    A qualidade literária e o rigor histórico que lhe conheço, garantem um melhor conhecimento do Bairro, da história do seu nascimento, parido no planalto da Quinta da Cheira.
    A história, feita por quem viveu boa parte dela, tem um valor acrescentado que não quero perder.
    Um grande abraço de parabéns e o meu obrigado.

    ResponderEliminar
  3. Dom Fernando, guarda-me um por favor. Podes trazê-lo no Domingo. Obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou perguntar ao Mário Rovira se já há mais disponíveil.Senão só lá mais por volta do dia 15 de Setembro, que foi para quando encomendei 20.

      Eliminar
    2. Tinha feito um comentário...a solicitar tambe´m um exemplar! Não saiu...mas espero ir ainda a tempo. ok? Don Rafael! Obrigado

      Eliminar
    3. OK, amigo Leitão.Já tomei nota.
      Dia 15 já os tenho para entregar

      Eliminar
  4. Fernando Rovira, de quem li o romance “A Francesa”, alia aos seus conhecimentos históricos a marca de quem retrata e valoriza a terra onde nasceu e a região que a envolve. Porque ama Coimbra e os seus arredores.
    Conquistado que fui, na leitura daquele romance, pela qualidade literária e pela forma aliciante de escrever do Autor, mais me seduz a oportunidade de vir a ler este livro dedicado a uma zona da cidade onde eu próprio também nasci e vivi, reconhecendo como as minhas mãos os locais referidos na súmula aqui divulgada.
    Fernando Rovira e o seu irmão Mário Rovira, este intérprete de referência da música de Coimbra, são de uma geração anterior à minha mas da qual me recordo bem na minha juventude.
    Fazem parte de um grupo de então jovens mais velhos que me habituei a admirar e a respeitar. Cito de memória alguns deles. Como o Rui Umbelino, o Rui Bento, o Emílio, o irmão do Eloi, o Paulo Nobre e o Fernando Rafael.
    Este último, como grande mentor do reencontro através de sucessivas iniciativas suas e deste blog, de várias gerações do Bairro e do Calhabé, depois de décadas de afastamento.
    É um serviço que nunca é demais realçar, este que o Fernando Rafael nos presta, com o seu dinamismo e vitalidade.

    Esta divulgação do novo livro de Fernando Rovira insere-se no espirito e na matriz que presidiram à criação do blog Encontro de Gerações, e por isso por ela me congratulo e a aplaudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tomo a liberdade de também guardar um exemplar.

      Eliminar
    2. Citei o irmão do Eloi sem referir o seu nome porque na altura em que escrevi o comentário não me vinha à memória.
      Agora que me lembrei, digo que se tratava do Graciano. Aliás, nem seria preciso dizê-lo porque certamente todos sabiam a quem me referia. Mas aqui fica o esclarecimento.

      Esqueci-me de muitos outros, citando apenas aqueles com quem tive a honra de conviver mais de perto, mas aproveito para referir também o Bétinho da Rua A, cinéfilo dos quatro costados...

      Eliminar
  5. Rafael
    Também quero quatro, um para mim,outro para a Rosinha,outro para a Mima e outro para o Lau.
    No dia 15 fazemos contas,ok?
    Beijinhos, Nanda

    ResponderEliminar
  6. Começo por cumprimentar o autor, o amigo Fernando Rovira.
    Rafael, se ainda houver, por favor guarda-me um exemplar ...
    QUITO

    ResponderEliminar
  7. Agradeço também que me sejam disponibilizados 2 livros

    Maria Judite Ribeiro 1

    João Adão 1

    ResponderEliminar
  8. Parabéns Fernando Rovira por mais esta obra.
    Quando li "A República do Carmo" e a "Francesa" fiquei rendido à forma cativante e rigorosa do Fernando Rovira.
    Por maioria de razão e por a presente obra retratar vivências que nos são tão próximas não poderia deixar de ter interesse em o ler.
    Por isso solicito, já que o Rafael assumiu as encomendas do livro, que me sejam reservados dois livros.

    ResponderEliminar
  9. ...Pois mas o Mário já disse ao irmão que são 25!!!!
    O que não se venderem agora ficam em "reserva"!Mas lá para o dia 15 ou 16 dos 25 nada sobra!
    Tenho dito.Mas a calculadora dos chineses nunca falha!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mandei-te um mail a fazer a minha reserva para adquirir um exemplar, mas aproveito para aqui reforçar esse meu pedido e reserva.
      Ana Maria.

      Eliminar
  10. Neste momento. Livros encomendados:
    Paulo Rafael 1
    Alfredo Moreirinhas 1
    Nanda 4
    José Leitão 1
    Carlos Viana 1
    Rui Felício 1
    Eurico Deus Pereira 1
    João Adão 1

    Judite Ribeiro 1
    Abilio Soares 2
    Isabel Carvalho 1
    Ana Maria Roque 1

    Total 16

    Mário Rovira vai acompanhando a quantidade.Para os 20 só faltam 11 pediddos!

    ResponderEliminar