quarta-feira, 10 de novembro de 2010

PRIMEIRAS CONSTRUÇÕES DE MORADIAS NO BAIRRO MARECHAL CARMONA-HOJE NORTON DE MATOS

FOTO "HISTÓRICA" SAÍDA DO SÓTÃO DE RUI PATO!
A FOTO É BASTANTE ANTERIOR a 1945 E FOI TIRADA PELO JORNALISTA SR PATO!
Agora vamos corresponder ao desafio que me foi lançado por Rui Pato e que consiste saber a que rua pertencem estas primeiras moradias.
A tarefa não será fácil.
Apenas uma dica: pelo estudo que fiz de foto na mão há 3 hipóteses, considerando o ponto de referência que é os Loios, Cidral, Quartel da GNR e até Penedo da Saudade: Rua I(Infante Santo), rua H(rua Gonçalves Zarco) e rua F(rua Afonso de Albuquerque).
Tanto quanto me lembro umas das primeiras moradias a serem habitadas foram na rua H(Joaquim Abegão e Dona Maria de Lurdes Matos Beja(geminadas) e rua I-Dona Lurdes Arnault-modista, cujo quintal confinava com as moradias dos moradores anteriores.
Mas pode não se assim!
Consultando moradores mais antigos talvez se consiga precisar melhor.
A foto e seu autor merecem a nossa melhor atenção!


Bairro Norton de Matos

Origens

Salazar mandou demolir a velha alta de Coimbra para construção da Cidade Universitária. Devido ao aumento de população e ao número de pessoas desabitadas nascem novos bairros, entre os quais, o Bairro do Calhabé ( primeiro nome do Bairro Norton de Matos), que começou a ser habitado em 1945. No dia de Novembro de 1949, o nome mudou para Bairro Marechal Carmona em comemoração dos oitenta anos daquele estadista. Mais tarde, depois do 25 de Abril de 1974, o nome mudou novamente, desta vez para Bairro Norton de Matos, nome que se mantém até hoje. Norton de Matos tinha sido opositor a Marechal Carmona nas eleições para a Presidência da República.

Toponímia

Os nomes das ruas eram letras do alfabeto, mas as ruas eram tantas que o alfabeto se esgotou tendo as letras sido substituídas por nomes de antigas colónias e figuras históricas ligadas aos descobrimentos... Assim às maiores ,por deliberação camarária , foram dados os nomes de Rua de Angola, de Moçambique, Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral. Às ruas mais pequenas o nome dos navegadores , pracetas dos Açores
...

Escola

A primeira escola do 1º Ciclo existente no bairro, localizava-se na Rua de Chaimite, ou rua do volta atrás.
A escola nº 16, hoje Escola do Bairro Norton de Matos, construída na R. Dr. Daniel de Matos começou com 171 rapazes e 166 raparigas, conforme consta dos livros de matrículas.
As turmas eram só femininas ou só masculinas, por isso no mesmo edifício existiam duas escolas: A escola nº 25 dos rapazes que ficava no 2ºandar e a Escola nº 31 das raparigas, 1º andar
.

Centro recreativo

O Centro Recreativo do Bairro foi fundado em 1951, tendo o terreno sido oferecido pela Câmara Municipal, na Praça de S. Tomé e Príncipe. O actual Centro foi inaugurado em 1966, pelo Presidente da República à época, Almirante Américo Tomás.
Esta colectividade nasceu devido ao isolamento em que as pessoas viviam por falta de infra-estruturas para os moradores poderem conviver.

Casas

O Bairro foi construído para alojar pessoas da velha alta e funcionários dos serviços.
As primitivas casas tinham três tamanhos: pequenas, médias e grandes. As pequenas tinham dois quartos, as médias e as maiores tinham ambas 3 quartos, sendo diferente o tamanho da sala. Todas as casas tinham dois pisos e um pequeno quintal. O bairro começou a ser habitado por volta de 1950.
Como os terrenos eram mais baratos, muitas pessoas começaram a comprar terrenos para fazerem moradias e assim, o bairro foi crescendo perdendo muito da sua harmonia primitiva
.


Actividades

Existiam algumas actividades comerciais por parte de profissionais que se deslocavam pelas ruas, porta a porta, oferecendo os seus serviços: o amolador, o sapateiro por medida, o alfaiate, o barbeiro, e o ardina. Também as lavadeiras do Mondego se deslocavam semanalmente para buscar roupa suja e entregar roupa lavada.
Hoje em dia as actividades comerciais já não se fazem de porta a porta, mas sim em lojas à excepção do amolador cujo assobio ainda podemos ouvir de vez em quando.

As noites de Inverno eram calmas, as pessoas ouviam a rádio novela, passavam o serão em família e deitavam- se cedo.
No Verão, as noites eram muito animadas na rua Vasco da Gama, que na altura se chamava rua A .Fazia- se picadeiro , isto é, passeava-se a pé e ouvia-se música transmitida pelo Centro Recreativo .
Agora as noites passam- se nos cafés em conversa com os amigos, ou em casa a ver televisão, ou deslocam-se para outros pontos da cidade.

Pesquisa efectuada por:
Sara Margarida,David e Filipe 2003/2004


e retirada do "site" JFSAO.
marcadores: Bairro Norton de Matos-Rui Pato

22 comentários:

  1. Ontem, o artigo do Rui Felício que juntamente com os comentários, me fez aperceber do que se passa por esses lados. Tentei um intercambio de informações pois nesse campo sou um leigo. Neste artigo, nem tento nenhum intercambio pois deste género não existe por aqui. Por contra que bela perspectiva anterior ao nosso tempo nos dá a fotografia do Rui Pato. Que bem trazida até nós a descrição das origens do nosso bairro. Excelente artigo.

    Deduções: - Quanto à fotografia, ponho de parte a rua I pela posição da casa branca no Penedo da Saudade. A rua H, não me parece que desça tão abruptamente. Parece-me a rua F. A seguir às duas casas de duas portas do lado esquerdo, há uma casa pequena que na mesma posição na rua H, é uma casa geminada longa. Por sua vez, a última casa à esquerda na rua F, afastada da anterior e que se apresenta vista de lado, está num plano mais baixo. Provávelmente a do Sérgio. A tal casa branca no Penedo da Saudade, aqui está muito mais à esquerda, o que também condiz.
    Para mim, é a rua F. Saiam outras ideias.

    ResponderEliminar
  2. Partilho das opiniões dadas aqui pelo amigo Chico Torreira. Em primeiro lugar do evidente interesse da foto e de toda a informação complementar sobre o nosso Bairro. Depois, julgo que a Rua é a F. Creio que o seu nome era Afonso de Albuquerque ...

    ResponderEliminar
  3. Para mim, também é a Rua F. E o nome 'é' Afonso de Albquerque, Quito...A denominação por letras é do tempo do ranço ;-))

    ResponderEliminar
  4. Eu tinha a certeza Teresita, que não ficavas insensível à tua rua ...Afonso de Albuquerque.
    Pessoalmente, gosto da minha Rua D. Era assim na minha infancia, quando eu fugia à frente dos polícias, com as botas rebentadas de tanto jogar à bola. Nada tenho contra descobridores e marinheiros, mas, no caso em apreço, Bartolomeu Dias não me diz nada ...
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Então mais sugestões?
    Vou guardar lá mais para diante a solução mais crível...devidamente documentada!
    Penso que é irrefutável...
    Digo eu, claro!

    ResponderEliminar
  6. Rua F...Afonso de Albuquerque! Mas o Tonito, com a sua "ojectiva", poderá, no cruzamento da Rua Vasco da Gama, no meio...entando o Don Rafael a controlar o trânsito (o seguro morreu de velho!!??), tirar uma foto virada para o Liceu Infanta D.Maria e "certifica" as várias opiniões...a Rua F!!!!

    ResponderEliminar
  7. Venho dizer ao Chico Torreira que não me parece que seja a casa do Sérgio, que ele diz que se vê de lado, para mim essa casa é a da Milita Barreiros, a do Sérgio será mais para baixo, isto claro sendo esta a Rua F.

    ResponderEliminar
  8. Ana Roque,

    A internete é muito boa mas de vez em quando cria problemas pois pode também nos levar a enganos. Ao ver-se o google e para quem não está aí há muitos anos, as casas vistas de cima têm áreas diferentes nas diversas ruas. Provávelmente derivado a aumentos que lhes fizeram e que eu já não conheço ou não me lembro. Lembrei-me de ir ver uma fotografia tirada pelo Sr. Albano Pato de avião, em que as casas estão ainda sem alterações. Por aí, derivado unicamente à disposição das casas, é a rua H. Nesse caso a descida abrupta seria uma ilusão de óptica dada pelos montes de terra ou areia que não nos deixam ver o terreno aonde foram construídas as casas do Sérgio, Manito Arrobas, Rui Piçarra e outras, dos que neste momento me lembro. Isto é muito giro, faz puxar pelas recordações. No fim quem tem a palavra, é o Rafael.

    ResponderEliminar
  9. AH! GANDA CHICO!
    ACERTASTE NA MOUCHE!
    É SIM SENHOR A RUA H, onde vivi una anos!
    MAS VOU DEMONSTRAR que nós os dois acertámos!
    Tu primeiro...porque eu estava á espera de mais ruaefistasalbuquerquistas para demonstrar que a rua "F" era impossivel!!!
    E esta HEN!

    ResponderEliminar
  10. Como sou péssimo a desenhar vou explicar melhor
    É A RUA H!
    1º do lado esquerdo do também lado esquerdo da foto não se vê a moradia do sr Pereira, pai do Manuel Joaquim-era enfermeiro.
    2º-o 1º BLOCO-tinha entrada do lado do quintal do sr Pereira para a moradia do Baltar.
    3º pela frente entravam:Piedade dos botões e Firmino das águas-depois foram para a Praça de Cabo Verde-tinha um filho que lhe chamavam o "cegonha"; depois dele habitou o Balhau; depois deste a Dona Magna.
    E também o Teixeira Lopes agora a Filha casada co o Zé Rodrigues.
    4º2º BLOCO: pela lateral com entrada para o ZéRodrigues morava?-não consegui ainda saber o nome-; a seguir o SIMÕES BERBEIRO-hoje mora já uma neta filha do Simões que foi continuo no Liceu; a segui o Lourenço que foi policia (pide); a seguir e com porta laterl viveu o Carlos Veneno- hoje ainda lá mora a mulher Manuela e a filha Olivia.
    5º-no bloco pequeno: com entrada para o quintal do Veneno mora o FERRINHA; do outro lado também com entrada lateral morou o Sr Parente que foi motorista do Governo Civil-hoje mora lá a viuva.
    6ºno outro bloco grande com entrada para o quimtal do parente viveu lá o ABEGão-hoje moram lá as filhas; no simétrico da direita morou Lurdes Matos Beja-hoje a viuva do Salvador.
    7 a ultima moradia que se vê do lado direito da foto e faz esquina com a Rua Gonçalo Velho morou o sr. Moura-hoje o TOMÉ.
    PARA SER RUA F falta o bloco grande na rua.
    Na foto e do lado de cá da foto talvez seja a moradia que faz esquina para a praça dos Açores e lá viveu a D. Alda que tinha dois filhos.
    A moradia de cá deve ser do FIDALGO

    O espaço em frente sem casas não é a descair. é ilusão de óptica, como diz o Chico.
    Nesse espaço vieram a ser construida moradias como por exemplo do Piçarra, do Zé Brás, etc.
    Obrigado pela atenção dispensada e cotizem-se para pagar os gatafunhos e...um copo.
    RUI PATO fica esclarecido?
    Atento e venerador "O CASTELÃO SABICHÃO"

    ResponderEliminar
  11. Topógrafos, engenheiros ou arquitetos?!
    Estudaram, investigaram, compararam e...não é que acertaram!
    Parabéns ao Chico, pois de lá tão longe e sem vir cá há tanto tempo, ainda tem presentes os locais e os nomes dos habitantes!!!
    O Fernando foi in loco, o que facilitou a descoberta.
    Uma fotografia para a posteridade.
    Boa, Rui Pato.

    ResponderEliminar
  12. O Castelão não é só de Penela. Demonstra que também castela bem no BMC.
    A desenhar não é especialista mas é muito especial na forma como analisa profundamente o seu Bairro.
    Obrigado ao Rui Pato, pela foto histórica, pela generosidade de nos expor tão rico espólio.
    Obrigado ao Rafael, pelo seu esforço e interesse em nos dar a conhecer, com todo o pormenor, os seus próprios conhecimentos.
    Para ambos o meu abraço e o meu obrigado.

    Para os restantes "comentadores", Chico Torreira, Quito, Teresa B., JottaElle e Ana Roque, os meus parabéns por se terem atrevido a dar opinião. Eu fiquei caladinho que nem um rato... à espera que me explicassem a "coisa".

    Para todos, um abraço.

    ResponderEliminar
  13. Li, com mais atenção, o post.

    O site JFSAO mostra-nos a pesquisa de Sara+David+Filipe, efectuada em 2003/4.
    Bem intencionada, com toda a certeza, mas carregada de erros e imprecisões.
    Erros na toponímia, referindo a Rua Pedro Álvares Cabral e a Rua de Angola como ruas do Bairro.
    Quanto ao Centro Recreativo, as imprecisões são demasiadas para quem tentou fazer um trabalho de pesquisa.
    Já não falando nas "Origens" e nas "Actividades"...
    Penso que terá sido um trabalho académico. Tinha-lhe dado "nega".
    Desculpem lá, amigos, mas se tivessem falado com as pessoas certas conseguiam positiva alta.

    ResponderEliminar
  14. Realmente é um trabalho demasiado "escolar" que não demonstra qualquer tipo de pesquisa "séria".
    Nunca tinha visto este trabalho e ainda exitei em publicá-lo!
    Mas como á mão não tinha mais nada...

    ResponderEliminar
  15. Meu sogro, o Sr. Salvador, andou na construção do bairro, ainda em solteiro. Mais tarde foi morar para a Rua de Moçambique, já com os dois primeiros filhos, nascidos. O terceiro nasceu já, lá.
    Eu própria, nasci na Rua Gil Eanes, onde ainda moram os meus pais.

    ResponderEliminar
  16. Conheci muito bem o Sr Salvador.
    Nas mãos dele tudo tinha solução!

    ResponderEliminar
  17. Graça Lamas,
    Somando dois com dois, se a matemática não for uma batata, tu és a Graça ... do Ruca, filho do Sr. Salvador e irmão da Rosário e do João.
    É isso?
    Assim sendo, um beijo muito amigo e vê se dizes ao Ruca que tenho muita saudade do tempo em que ele grelhava peixe como ninguém!

    ResponderEliminar
  18. Fiquei muito contente ao ver a receptividade que teve no blog esta foto que durante anos me intrigou.
    Obrigado a todos e agora estou esclarecido.
    Julgo que não há muitas fotos do bairro que o mostrem assim nesta fase embrionária.
    Obrigado, também ao meu pai.

    ResponderEliminar
  19. Eu é que agradeço Rui, esta foto. Estava mesmo convencido que era a Rua F...

    ResponderEliminar
  20. Quito,vá lá.. não utilizaste a estafada "tirada á brasileira para demonstrares que a tua rua é a melhor de todas!
    Só si fô D...que é a minha!

    ResponderEliminar
  21. Rui Pato,
    Eu agradeço como o Quito. Quanto à foto, que já tivesses a resposta ou não, para mim quem esclareceu foi o teu próprio Pai, que deixou um legado de sonho.

    ResponderEliminar